Conclusões do conselho sobre o lançamento Europeu Global De Navegação Por Satélite Sistema De Programas

um.ue/da Redação
Um
PT
CONSELHO DE
A UNIÃO EUROPEIA EN
Conclusões do conselho sobre o lançamento Europeu Global
De Navegação Por Satélite Sistema De Programas
Dois
A P R E S S
R u e d e l L o s i 1 7 5 B– 1 0 4 8 B R U S S E L E S T e l . : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 6 0 8 3 / 6 3 1 9 F a x : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 8 0 2 6
press.office@consilium.europa.eu http://www.consilium.europa.eu/Newsroom
Dois
PT
2. SUBLINHA o econômico e o público méritos dos programas, os benefícios diretos de
Galileu, em termos de novos serviços e mercados, aumentar o desempenho e a complementaridade
com o GPS.
3. RECONHECE que a Comissão do custo estimado para o centro Europeu de prevenção e
programas para o período 2007 – 2013, que equivale a 3,4 bilhões de euros, incluindo a contratação de
Capacidade Operacional total de Galileu, os custos operacionais, os custos para o EGNOS, o
agente de aprovisionamento, programa de gestão de custos e uma reserva de contingência, e
CONSIDERA-se que este deve constituir o limite máximo para as despesas durante este Financeira
Perspectiva.
4. TOMA NOTA das estimativas da Comissão para os custos e riscos a partir de 2013,
incluindo os custos de operação, manutenção e reposição. Estes custos podem ser, em parte,
compensado pela receita de serviços Galileo.
5. RECONHECE que os riscos identificados do centro Europeu de prevenção e programas não exigem
específicos das medidas orçamentais nesta fase, mais do que o previsto reserva de contingência.
6. CONGRATULA-se com o compromisso da Comissão para implementar um programa integrado de risco
estrutura de gestão para todas as fases e níveis do programa e implementar estruturais
medidas destinadas a identificar, controlar, mitigar e monitorar os riscos, nomeadamente através da
pertinente a contratos e acordos.
7. SUBSCREVE integralmente a necessidade de um fluxo alinhadas e eficaz da administração do setor público de
o centro Europeu de prevenção e programas e a necessidade de uma clara divisão de funções; e CONCORDA em
nomeadamente, a de que os seguintes princípios devem ser aplicados para a fase de implantação, sob
contratos públicos:
Tomada de decisão política e de supervisão
a) O Conselho e o Parlamento Europeu continuam a Autoridade Orçamental e ultimate
política de tomada de decisão para os programas, em particular para o geral
os objetivos do programa e definição dos serviços que serão fornecidos pelo EGNOS e
Galileu, para os princípios que regem os contratos e para as decisões sobre as fases subseqüentes
dos programas;
b) Todos os Estados-membros devem manter a política de supervisão dos programas e
portanto, ter acesso completo às informações a serem prestadas pela Comissão, mediante
pedido pela Presidência;
Gestão e execução
c) As responsabilidades dentro da Comunidade Europeia, deve ser claramente definido, em
em particular os da Comissão Europeia e da comissão Europeia Supervisora do GNSS
Autoridade (GSA);
A P R E S S
R u e d e l L o s i 1 7 5 B– 1 0 4 8 B R U S S E L E S T e l . : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 6 0 8 3 / 6 3 1 9 F a x : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 8 0 2 6
press.office@consilium.europa.eu http://www.consilium.europa.eu/Newsroom
Três
PT
d) A Comissão deve ser totalmente responsável pela gestão global do
programas como o centro Europeu de prevenção e Gestor do Programa, enquanto que os Estados-membros devem
estar estreitamente associados com os elementos essenciais para a gestão do programa,
em particular, o programa de trabalho e o programa de execução e plano de
de financiamento associados, através de um centro Europeu de prevenção e Programas de Comissão de
estabelecido em acordo com a Comunidade Europeia procedimentos de comitologia;
e) O GSA deve manter a responsabilidade para, em especial, de técnicos de certificação,
a acreditação de segurança, preparação para o mercado e a comercialização do sistema, e
auxiliar a Comissão para todos os assuntos relacionados à execução dos programas;
f) A Agência Espacial Europeia (ESA) deve atuar como agente de aprovisionamento para o Galileo,
assunto para o futuro do acordo entre a Comunidade Europeia, representada pelo
Comissão, e a ESA; este acordo, a ser enviado para o centro Europeu de prevenção e
Programas de Comissão, deve ser claro e transparente, e definir os requisitos
e as medidas de controle a ser colocada em local bem como de concursos, incluindo
apelo e procedimentos de solução de controvérsias;
g) As questões relativas à segurança dos sistemas deve ser considerada como segue:
• segurança apropriada grupo de peritos, incluindo todos os Estados-membros e de trabalho em
a base do consenso, deve examinar questões relacionadas com a segurança da
sistemas,
• a definição dos principais requisitos para a segurança do sistema deve ser
decidiu, em conformidade com o procedimento de regulamentação, tendo plenamente em conta a
parecer do grupo de especialistas em segurança,
• a acreditação de segurança do sistema é da responsabilidade da GSA,
• sempre que a segurança da união europeia e os seus Estados-membros podem ser afetados por
o funcionamento do sistema, tal como previsto pela Ação Conjunta 2004/552/PESC do conselho, o
procedimentos da Acção Comum deve ser seguido.
• Matérias abrangidas no Título V, e/ou do Título VI do Tratado da União Europeia vai
não ser da competência do centro Europeu de prevenção e Programas de Comitê.
A supervisão e integração de requisitos de segurança no programa, em geral, deve
ser assegurada pelo centro Europeu de prevenção e Programas de Comitê.
Propriedade
h) A Comunidade Europeia deve ter a propriedade de todos os bens tangíveis e intangíveis
GALILEO e EGNOS ativos.
A P R E S S
R u e d e l L o s i 1 7 5 B– 1 0 4 8 B R U S S E L E S T e l . : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 6 0 8 3 / 6 3 1 9 F a x : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 8 0 2 6
press.office@consilium.europa.eu http://www.consilium.europa.eu/Newsroom
Quatro
PT
8. RECONHECE que a decisão de re-perfil o centro Europeu de prevenção e programas requer
um ajuste para o regulamento relativo à GSA e SOLICITA à Comissão para
apresentar a proposta adequada em um futuro próximo.
9. REITERA a sua vontade de garantir:
a) uma participação equilibrada de todos os Estados-membros, durante as diferentes fases do projecto
enquanto estiver a tomar o máximo de benefícios da livre concorrência;
b) a necessidade de se refletir o progresso feito até agora, a fim de assegurar o valor para o dinheiro e para
a introdução da concorrência na cadeia de abastecimento, para evitar criar uma situação de monopólio situação do abastecimento;
c) que as partes interessadas em todos os Estados-membros, especialmente as pequenas e médias empresas
(PME), têm a oportunidade de desenvolver e inovar na base tecnológica
know-how decorrentes do Galileo contratos.
10. CONFIRMA a aplicação dos seguintes princípios para a contratação:
a) introdução de robusto e a concorrência leal no programa, permitindo atingir o valor
para o dinheiro, melhorar a eficiência, diminuir dependências, e acima de tudo para controlar os custos
e mitigação de riscos;
b) o acesso aberto e a concorrência leal ao longo da cadeia industrial, oferecendo um
oportunidade para a participação equilibrada de indústria em todos os níveis, incluindo, em particular, das PME,
nos Estados-membros;
c) o reconhecimento da existência de um número limitado de principais fornecedores do setor espacial
e precisa para evitar possíveis abusos de posição dominante ou a longo prazo, a dependência único
fornecedores;
d) a licitação na base da prestação de transparência e de informação atempada, clara
a comunicação da adjudicação de contratos aplicáveis as regras, os critérios de selecção e de quaisquer outros
informações relevantes, permitindo um nível de igualdade para todos os concorrentes potenciais para o
o presente e o futuro fases do programa;
e) aproveitar antes do sector público investimentos e lições aprendidas, bem como
a experiência industrial e competências, incluindo as adquiridas na definição e
fases de desenvolvimento do centro Europeu de prevenção e programas, assegurando ao mesmo tempo que
os concursos não devem ser prejudicados.
11. CONFIRMA a aplicação da Comunidade, as regras de contratação pública e o seguinte
princípios para a aquisição da Plena Capacidade Operacional (FOC), de Galileu:
A P R E S S
R u e d e l L o s i 1 7 5 B– 1 0 4 8 B R U S S E L E S T e l . : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 6 0 8 3 / 6 3 1 9 F a x : + 3 2 ( 0 ) 2 2 8 1 8 0 2 6
press.office@consilium.europa.eu http://www.consilium.europa.eu/Newsroom
Cinco
PT
a) divisão de aprovisionamento de infra-estrutura em um conjunto de seis obra principal packages2
como
bem como um número de pacotes de trabalho, através de uma abrangente geral
contratos quebra; isto não exclui a perspectiva de múltiplas e simultâneas de
contratos fios para pacotes de trabalho individuais, inclusive de satélites;
b) todos os pacotes de trabalho para FOC Galileo deve ser aberto para o máximo possível
a concorrência, em linha com a legislação da UE princípios que regem os contratos, e para garantir contratos públicos em
programas espaciais são mais amplamente aberto a novos participantes e Pme, assegurando
tecnologia de excelência e eficácia de custo;
c) concursos de todos os pacotes em um único procedimento através do qual qualquer um
entidade jurídica independente, ou jurídicas, parte de um grupo, pode concorrer para o papel de primeiro –
contratante por um período máximo de dois dos seis principais pacotes de trabalho;
d) pelo menos 40% do valor agregado das atividades a serem subcontratadas pelos competitiva
concursos em vários níveis para empresas que não pertençam aos grupos de
quais entidades serão contratantes de qualquer um dos pacotes de trabalho;
e) dupla fonte, sempre que adequado, a fim de mitigar os riscos associados ao programa e evitar
única fonte de dependências e para garantir um melhor controle de programa, o custo e a
agenda;
f) possibilidade de indústrias Europeias dependem não-Europeus fontes para determinadas
componentes e serviços em caso de demonstrada vantagens substanciais em termos de
qualidade e custos, tendo em conta o caráter estratégico do centro Europeu de prevenção e
programas e da UE, de segurança e de controle de exportação aplicáveis;
g) implementação de um programa integrado de gestão de riscos em todos os níveis da
programa bem como as medidas estruturais para identificar, controlar, mitigar e monitorar
riscos;
h) implementação dos elementos acima e os princípios de base de uma CE-ESA
Convenção de delegação em todos os industriais de contratos.

Dois
Sistema de suporte de engenharia, terra de missão infra-estrutura conclusão, controle de terra